Segunda edição do Festival de Verão no Parque atrai campo-grandenses para prática de exercícios ao ar livre

Segunda edição do Festival de Verão no Parque atrai campo-grandenses para prática de exercícios ao ar livre

No domingo (10) ocorreu a 2ª Edição do Festival de Verão no Parque das Nações Indígenas, com objetivo de reunir pessoas para a prática de atividades físicas ao ar livre, o evento foi organizado pela Fundesporte (Fundação de Desporto e Lazer) ligada a Setesc (Secretaria de Estado de Turismo, Esporte e Cultura). 

As atividades começaram às 7h com a corrida em homenagem ao Dia das Mulheres que contou com a participação de 450 mulheres. Além da corrida em alusão ao dia 8, o Festival de Verão ofereceu a oportunidade do Sul-Mato-Grossense passear por estandes do Exército Brasileiro, Batalhão de Choque da PM (Polícia Militar), PMA (Polícia Militar Ambiental).

A segunda edição do Festival de Verão no Parque ofereceu oficinas de: ioga, Fire bikers kids, capoeira, muay thay, jiu-jitsu, brinquedos, show artístico, canoagem, tiro com arco, fitdance, kung-fu, grupos de corrida, pipas, skate, caminhada orientada, crossfit, baby gym (academia para pais e seus bebês), avaliações de bioimpedância, dentre outras atividades.

A primeira-dama do Mato Grosso do Sul, Mônica Riedel também participou da Corrida das Mulheres e, na ocasião, ressaltou sua felicidade em iniciar o dia com uma atividade em celebração a um dia tão importante.

Corrida em alusão ao dia 8 de março reúne 450 mulheres (foto: Daniel Oshiro)

Para o diretor-presidente da Fundesporte, Herculano Borges, o objetivo é proporcionar esporte e lazer para todo o Mato Grosso do Sul.

A segunda edição do Festival de Verão é um evento que só foi possível graças a parcerias com instituições como a Polícia Militar, Polícia Vermelha, Exército, Grupos de Corrida, Corrida das Mulheres, além de oferecer atividades para crianças, adolescentes, idosos e gestantes. É muito gratificante ver o Parque das Nações cheio, especialmente com famílias presentes”, comenta Herculano.

Sobre a importância da atividade física, o Secretário da Setesc (Secretaria de Estado de Turismo, Esporte e Cultura), Marcelo Miranda comentou. “Oferecemos inúmeras atividades, para todos os gostos e idades. O grande objetivo foi celebrar a família, ocupar e contemplar esse parque maravilhoso e principalmente estimular as pessoas a buscarem uma qualidade de vida ativa”.

A Primeira-dama do MS, o Secretário da Setesc e o Diretor-presindente da Fundesporte estiveram presentes no Festival (foto: Patrick Schocair)

Oficinas

O Festival reuniu muitas atividades ao ar livre com a intenção de convidar os visitantes do parque, a experimentar novas atividades físicas, como por exemplo a capoeira. O professor Branco, capoeirista responsável pela Abadá-Capoeira, destacou que desde 2000 tem incentivado as pessoas na prática de atividades físicas.

“É uma oportunidade para os moradores de Campo Grande participarem, terem aulas e entenderem como funciona a capoeira. Realizamos atividades, alongamentos, aquecimento e alguns jogos para que as pessoas possam compreender um pouco mais na prática. Qualquer pessoa que nunca praticou pode vir fazer aula conosco”, comenta.

Roda de Capoeira no Festival de Verão no Parque (Foto: Daniel Reino)

O Festival de Verão no Parque também teve recepção com Perna de Pau feita pela Cia Habilidoces comandada por Leonn Gondin em 2018, a fim de compartilhar a experiência circense e educar de forma lúdica. “Nós viemos para mostrar que o circo também está aqui para tornar este evento ainda mais bonito e especial, trazendo um momento mágico. O circo pertence tanto à educação física quanto à arte, bebendo dessas duas realidades. Estamos aqui para embelezar este evento”, ressalta.

A canoagem foi umas das atividades que mais chamou a atenção do público do Festival. As aulas de canoagem já ocorrem no Parque das Nações Indígenas às segundas, quartas e sextas-feiras, das 15h40 às 18h, e são gratuitas. Nilton Benites, técnico de canoagem do parque, destaca que a prática da canoagem é aberta a pessoas com deficiência, com o objetivo de incluir todos que desejam participar.

“Estamos realizando nossa escolinha de canoagem aqui, demonstrando como funcionam nossas aulas, é um esporte em crescente no parque. Estamos ensinando técnicas de remo e qualquer pessoa com mais de 10 anos pode participar. A importância da canoagem pode ser vista no sucesso do Cowboy, que começou aqui neste parque”, destaca.

Visitantes puderam praticar a canoagem no lago do parque (Foto: Daniel Reino)

 

Bel Manvailer, Comunicação Fundesporte
Foto de capa: Daniel Reino