Perícia comprova que sucuri de Bonito não foi baleada e morreu de causas naturais

Perícia comprova que sucuri de Bonito não foi baleada e morreu de causas naturais

Perícia realizada pela Polícia Científica de Mato Grosso do Sul confirmou que a sucuri encontrada morta e boiando por guias turísticos no rio Formoso, em Bonito, morreu de causas naturais. O trabalho confirma os levantamentos iniciais, realizados na segunda-feira (25) passada e que já descartavam a existência de perfurações por tiros ou qualquer outro objeto na cobra.

Batizada carinhosamente de Ana Júlia, a sucuri era um atrativo local. Ela foi encontrada já em estado de decomposição pelos guias, e uma investigação para descobrir a causa da morte foi aberta pelo delegado Pedro Ramalho, titular da Delegacia da Polícia Civil de Bonito, que também solicitou o trabalho dos peritos da Polícia Científica.

Conforme o perito criminal Emerson Lopes dos Reis, diretor do Instituto de Criminalística de Mato Grosso do Sul, uma equipe com três peritos, entre eles Maristela Melo de Oliveira, que é veterinária, foram até Bonito para examinar a sucuri. “Na inspeção feita no próprio local pela perita não foram observadas lesões no animal”, explica.

Perita criminal e veterinária, Maristela realizou incisões no corpo do animal para uma análise mais detalhada e algumas hemorragias internas foram encontradas, porém, devido ao adiantado estado de decomposição da sucuri, não foi possível precisar a existência ou não de alguma patologia.

“Nós realizamos exames minuciosos em toda a pele do animal e foram encontradas apenas alguns arranhões não recentes na cabeça, o que é muito comum em sucuris que são animais predadores”, lembrou Maristela.

Restos mortais da cobra foram trazidos para o Instituto de Criminalística em Campo Grande, para que exames complementares fossem feitos, entre eles os de imagens.

“Nós realizamos exames por raio-x na cobra, que poderia indicar projéteis alojados ou quebramento de ossos, mas nada foi encontrado e descartamos efetivamente morte violenta ou por causas externas”, garante Emerson.

Diante de todo o cenário, o Instituto de Criminalística aponta que a morte da sucuri de Bonito foi provocada por causas naturais. “Ela não foi acometida por uma morte violenta e diante disso resta como causa natural a morte desse animal”, finalizou o Diretor do Instituto de Criminalística.

Joelma Belchior, Comunicação Sejusp
Fotos: Divulgação/Polícia Científica

Relacionada:

Levantamento inicial não encontra tiros e polícia vai periciar sucuri encontrada morta