Elogiado pelos suinocultores, programa Leitão Vida já garantiu mais de R$ 50 milhões em incentivos

Elogiado pelos suinocultores, programa Leitão Vida já garantiu mais de R$ 50 milhões em incentivos

O Programa Leitão Vida, da Semadesc (Secretaria de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento, Ciência, Tecnologia e Inovação), já garantiu mais de R$ 50,5 milhões em incentivos a produtores de Mato Grosso do Sul e foi destaque durante o II Encontro de Lideranças da Suinocultura de Mato Grosso do Sul.

Realizado dentro da Expogrande 2024, o evento reuniu autoridades e membros da indústria para discutir os rumos promissores da suinocultura no Estado.

Da Semadesc estiveram presentes, além do titular da pasta Jaime Verruck, o secretário-adjunto Walter Carneiro Jr, o secretário de Desenvolvimento, Rogério Beretta, o secretário de Ciência e Tecnologia, Ricardo Senna e o secretário de Qualificação, Bruno Bastos.

A atividade que está em franca expansão no Estado tem a projeção de alcançar 150 mil matrizes nos próximos dois anos.

De acordo com o presidente da Associação Sul-Mato-Grossense de  Suinocultores (Asumas), Milton Bigatão, que abriu o evento na quinta-feira (11) esta expansão está diretamente ligada ao forte apoio dado pelo Governo do Estado ao setor, por meio da Semadesc e o Iagro.

“Nossa atividade está em franca expansão em Mato Grosso do Sul. Atualmente somamos no Estado mais de 118 mil matrizes, com a possibilidade de chegarmos a 150 mil nos próximos dois anos. Eventos como esse, nos permitem alavancar ainda mais. Não basta produzir, é necessário ter estratégia e trabalho em conjunto para aproveitarmos todas as possibilidades que temos no horizonte”, pontuou Bigatão.

Estratégia também foi o tema abordado pelo governador Eduardo Riedel. Ele reafirmou o compromisso com o setor produtivo, afirmando que a suinocultura foi um dos setores que mais cresceu com as políticas desenvolvidas pelo Estado.

“O compromisso deste governo com o setor produtivo vai além dos produtores individuais, engloba toda a complexa rede de cadeias produtivas. Testemunhamos os frutos dessa estratégia em várias áreas de produção, especialmente na suinocultura em nosso estado. Esta estratégia, delineada em colaboração com o governo, entidades de classe e todos os envolvidos, visa fortalecer continuamente tanto a atividade quanto a cadeia produtiva”, frisa Riedel, que completa.

“Reitero a importância de continuar trabalhando nesta estratégia para garantir ainda mais competitividade e atrair novos participantes, independentemente de sua escala. Este compromisso visa não apenas fortalecer a suinocultura, mas também criar oportunidades para outros produtores em nosso Estado”, destacou o executivo.

O presidente da Associação Brasileira de Criadores de Suínos (ABCS), Marcelo Lopes, destacou no evento, o trabalho realizado em Mato Grosso do Sul, que tem se tornado referência nacional.

“Mato Grosso do Sul é um exemplo a ser seguido no país. Essa integração, falado pelo governador, entre governo e produção, é muito importante, tanto é que as grandes agroindústrias estão vindo para cá. Mato Grosso está crescendo, vai crescer e eu tenho certeza que em pouco tempo, vai ser um dos maiores produtores de suíno do nosso país”.

Certificação selo arte

O encontro também oportunizou momentos de celebração, com a entrega da certificação do selo arte. Concedido pelo Governo do Estado, o Selo Arte é resultado do trabalho conjunto da Iagro, responsável por verificar os requisitos necessários, e da Semadesc, que emite o Certificado.

Este reconhecimento, além de impulsionar a indústria suinícola do estado, também fortalece a confiança dos consumidores na procedência e segurança dos alimentos que consomem. O prêmio foi entregue pelo secretário da Semadesc, Jaime Verruck e o governador. De acordo com o secretário o selo caracteriza produtos feitos de forma artesanal, com certificação e procedência.

“Isto pode abrir mercados dentro e fora do País para estes produtos”, salientou Verruck.

“Este selo representa uma certificação de qualidade e um reconhecimento à tradição e culturas envolvidas na produção artesanal de alimentos de origem animal, abrindo portas para a entrada em mercados exigentes, como o Japão, Canadá e outros países”, finalizou o presidente da Asumas.

Rosana Siqueira, Comunicação Semadesc
*com assessoria da Asumas
Fotos: Mairinco de Pauda